Desafio 12 meses de Poe - Dezembro 2017

Suportei o melhor que pude as mil e uma injúrias de Fortunato; mas
quando começou a entrar pelo insulto, jurei vingança. 
Chegamos ao último mês conto do desafio #12mesesdepoe para conto do mês tivemos O Barril de Amontillado (The Cask of Amontillado) que é um é um conto super curto de Edgar Allan Poe, publicado em 1846. A narrativa, que se passa na Itália, tem como personagem central Montresor, um homem imbuído do desejo de vingança; mas não uma vingança qualquer ele planejava emparedar vivo seu desafeto, Fortunato.

Tudo acontece durante o Carnaval na Itália, Montresor encontra Fortunato e o convida a compartilhar com ele uma garrafa de vinho Amontillado, mas para isso teriam de ir buscá-la em sua adega, uma espécie de catacumba. Já era bastante tarde e Fortunato parecia doente, porém isso não impede Montresor atraí-lo para dentro da escuridão do misterioso cofre de vinho. 
Enquanto o suspense se constrói, Montresor continua perguntando se Fortunato não gostaria de voltar atrás, já que ele não parece muito bem, mas este não lhe dá ouvidos e continua a beber vinho para aliviar a tosse. Quando chegam ao seu destino, não há Amontillado algum, mas um buraco na parede e o que acontece a seguir é surpreendente e aterrador, literalmente! 

Novamente o mistério e os sentimentos menos nobres dos humanos servem de pano de fundo para essa obra. A gente se coloca em ambos lugares ao mesmo tempo; ora damos razão à vingança, mesmo que não tão bem justificada, ora nos compadecemos por esse fato. Poe é genial em sua narrativa.  


Cheio de espuma e âmbar misturados 
Esvaziarei este copo novamente 
Visões as mais hilariantes embarafustam 
Pela alcova de meu cérebro 
Pensamentos os mais curiosos fantasias as mais extravagantes 
Ganham vida e se dissipam; 
O que me importa o passar das horas? 
Hoje estou bebendo cerveja. 
  EDGAR ALLAN POE, Linhas Sobre a Cerveja 

Enquanto escrevo esse post, estou confraternizando com minha família e, justamente, bebendo cerveja (tem uma fotinha de 24h no stories). Beber amortece, ajuda a esquecer as dores de um ano bastante cruel. A própria vida do Poe foi bastante cruel. A diferença é que entre esvaziar um copo e outro, eu sei quando parar e me reerguer pra enfrentar meus fantasmas. Mas, ele não teve essa chance, infelizmente. Porém, convenhamos, esse é um lindo e profundo poema. 


9 comentários:

  1. Feliz Ano Novo :D

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Acho esse escritor brilhante.
    Bom restante de semana.

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  3. Oi
    algum dia eu preciso ler esse autor, sempre falam bem e você é mais um que falou de como ele é genial, tenho muita curiosidade.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi amada, obrigado por me seguir,seja bem vinda, parabéns pelo blog, também faço parte do blog Agenda dos Blogs, agradeço a participação no projeto, estou te seguindo, beijinhossssssssss

    ResponderExcluir
  5. É de se embriagar a obra de Poe e perder os sentidos. É maravilhoso conhecer um pouco mais desse autor ímpar aqui no blog. Você consegue nos passar a essência dele e seu universo. Parabéns por mais esse post.

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir

É muito bom ter você por aqui! Não deixe de compartilhar sua opinião comigo! ❤